segunda-feira, setembro 25, 2006

Limitações humanas no fora-de-jogo

Um em cada cinco foras-de-jogo é mal avaliado pelos árbitros assistentes. Não apenas devido ao mau posicionamento em campo, mas também às limitações do olho humano.
Todos os fiscais de linha têm de ser selectivos. Por norma, o olhar centra-se no último atacante e procura o defesa quando é feito o passe. É neste momento de mudança de direcção dos olhos, que demora entre 0,25 a 0,30 segundos, que se pode dar o erro, com mudanças de posição dos futebolistas que, no rápido futebol moderno, podem chegar aos quatro metros.
As dificuldades agravam-se ainda mais quando defesa e atacante estão longe um do outro. Basta pensar no tamanho de uma pessoa quando a vemos a uma distância de cinco ou de 40 metros. A maioria dos árbitros resolve estes problemas antecipando o passe e olhando logo para o defesa ou marcando mentalmente o momento da jogada através do barulho do pontapé na bola. No entanto, alguns estudos defendem que a maioria dos erros surgem devido à má colocação do fiscal de linha em campo.

2 comentários:

Andreia Ribeiro disse...

Pois e a custa disso perdem-se grandes oportunidades de golo!! Por acaso esta é uma questão que me irrita bastante, uma vez que mesmo quando realmente um jogador esta fora-de-jogo lutou bastante, ou não, para conseguir correr mais que os outros todos e desmarcar-se!! acho essa regra patetica!! :) lol

Rui Marques disse...

O teu ponto de vista é mesmo divertido. lol